Feeds:
Posts
Comentários

Noticias de casa

Tô correndo contra o tempo, esticando as horas desde o dia em que recebi a noticia que passei em turismo. Sim, estou fazendo duas faculdades e juntando a isso ralando muito no trabalho. A única coisa que me deixa infeliz nesse contexto é a falta de tempo de postar coisas decentes e mais assíduas e claro interagir com as pessoas queridas que fazem a blogosfera. No mais estamos as voltas com a decoração do quarto das gêmeas que já ganharam nomes (Sophia e Lara), elas estão previstas para final de novembro, mas não tenho certeza se aguentarão esse tempo todo para dar o ar de suas graças.

Meus queridos paciência comigo, entre uma coisa e outra tentarei mandar notícias.

Bjks

Dizem que todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro.
E uma banana pelo potássio.
E também uma laranja pela vitamina C.

Uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.
Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água.
E uriná-los, o que consome o dobro do tempo.
Todos os dias deve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos (que ninguém sabe
bem o que é, mas que aos bilhões,
ajudam a digestão).

Cada dia uma Aspirina, previne infarto.
Uma taça de vinho tinto também.
Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso.
Um copo de cerveja, para… não lembro bem para o que, mas faz bem.
O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver
um derrame, nem vai perceber.

Todos os dias deve-se comer fibra.
Muita, muitíssima fibra.
Fibra suficiente para fazer um pulôver.
Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente.
E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada.
Só para comer, serão cerca de cinco horas do dia.

E não esqueça de escovar os dentes depois de comer.
Ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da
laranja, das seis refeições e enquanto
tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e
bochechar com Plax.
Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um
equipamento de som, porque entre a água, a
fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas por dia.

Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais
as cinco comendo são vinte e uma.
Sobram três, desde que você não pegue trânsito, o que é totalmente
impossível!

As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia.
Menos você, porque todos os dias você vai caminhar ao menos meia hora (por
experiência própria, após quinze
minutos dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma).

E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser
regadas diariamente, o que me faz pensar
em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando, caso minhas contas
estejam em dia e eu tiver tempo!

Deve-se estar bem informado também, lendo dois ou três jornais por dia para
comparar as informações.

Ah! E o sexo.
Todos os dias, tomando o cuidado de não se cair na rotina.
Há que ser criativo, inovador para renovar a sedução.
Isso leva tempo e nem estou falando de sexo tântrico.

Também precisa sobrar tempo para varrer, passar, lavar roupa, pratos, enfim
organizar a casa, e espero que você
não tenha um bichinho de estimação.

Na minha conta são 29 horas por dia.

A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo
tempo!!!

Tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e escova os dentes.
Chame os amigos e seus pais.
Beba o vinho, coma a maçã e dê a banana na boca da sua mulher.

Ainda bem que somos crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho e se
sobrarem 5 minutos, uma colherada de
leite de magnésio.

Agora tenho que ir.

É o meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao
banheiro.

E já que vou, levo um jornal…

Tchau….

*Luís Fernando Veríssimo

SEM FILHO

Hoje assisti o debate que rolou no sem censura sobre a possibilidade da mulher do século XXI escolher QUANDO e SE quer ter filhos, baseado no livro da Francesa Corinne Maier ( Sem filhos-40 razões para você não ter) e a crônica FILHO É PARA QUEM PODE da querida Mônica Montone. O tema deu muito pano pra manga como esperado e enveredou caminhos diversos.

Um dos pontos da discusão foi o preconceito sofrido por mulheres que optaram por não ter filhos, imagino o quanto a presão seja grande em torno delas pois ainda há muito impregnado a visão da mulher senhora do lar e da família, pórem qualquer que seja a escolha tem em torno de si muita polêmica e estardalhaço, pois sempre fui apontada como louca por querer ser mãe e ter apenas 20 anos, não digo que os terei amanhã, mas só o fato de externar esse sonho traz consigo os comentários do quão dificil é criar uma criança, como se os meus 20 anos não me dessem entendimento sufiente para saber disso.

Concordo plenamente com a Mônica, é preciso mais que ser biologicamente saudável para ser mãe e tirando todo o aspecto romântico (embora sem a crueza do livro da francesa supracitado) nem todas nós nascemos para o papel, isso é tão particular que nem deveria ser discutido com tanto ímpeto. Em mim é tão forte o instinto maternal que sei que serei mãe. É fato. Eles não serão extensão de mim, não realizarão os meus sonhos, talvez não cuidem de mim na velhice, mas quem disse que filhos têm essas serventias? Ser mãe é algo tão inexplicável que não poderia ser concedido à todas e acho magnânimo que a mulher, que não se sinta apta, possa “salvar” seu filho de si mesma. Que bom que a mulher da nossa era pode ser o que quiser.

E para a escritora, cantora, atriz ( e tantas outras faces) Moniquita o meu parabéns pela crônica brilhante e polêmica, sem perder a doçura característica e pela bela participação no programa da Leda. Muito sucesso!

O livro em branco

O livro estava lá como uma prova, manchada com seu branco imaculado do nada. Sua mente vagueava no completo vazio. Quem dita essas regras tolas? Quem nos manda preencher esse livro bobo? E porque essa enorme sensação que preciso pôr, nem que seja rabisco, nesse livro?

O livro da vida não perdoa os erros gramaticais, as linhas tortas e os contextos loucos do nosso “português do dia-a-dia”, embora no dia seguinte nos presentei com uma nova página, totalmente ao nosso dispor. Maldição ser dono de nossos atos, não seria melhor se fossémos marionetes nas mãos de um Deus soberano? Ele, pra se divertir as nossas custas, inventou o livre arbítrio e fazemos uma cagada após outra e nem ao menos podemos culpar alguém.

Pera aí! Não acredito que estou gastando a folha do hoje com essas babozeiras.

*

*

*

# Duas princesinhas aguardam pra curtir o brilho doce da vida aqui fora. Por isso, essa tia coruja não se aguenta de tanta felicidade. Vou tomar uma pra mim.

# No trabalho muita correria, do jeito que eu gosto rsrs

# Passei no vest e em breve serei letrada

# Aos que estão por aqui, apesar da ausência da anfitriã, o meu muito obrigada. Aos que se chegam agora nesse espaço, sejam bem vindos e voltem sempre.

bjks!

SE EU PUDESSE

SE EU PUDESSE…
Diria, mas cala em sangue a garganta
Correria, o campo doce do teu eu
Dançaria, passo torto de música sem harmonia
Faria, céu de brigadeiro
Se eu pudesse… Ah, se eu pudesse
Passe pro céu, o da boca, desmanchando em risos estrelas;
Encantá-lo com meu canto e te fazer cativo dos meus laços/braços
Mas o SE, que não é certeza, põe o pranto em meus olhos, de saber que pelo SE não te terei de fato aqui…

*

*

*

Obrigada pela solidariedade com a minha falta de cama, do fato resumo aqui que pulei na cama da mamãe rsrs

Bjks cheias de saudades!

desCAMAdo

Sem travesseiro, sem cobertas cheirosas e macias, não sabia em que lugar do seu passado tinha deixado esses itens que agora parecia tão preciosos. Fora-lhe arrancado quem sabe na última viagem, ou num tufão alguns anos depois. Onde deixou o repouso do fim dos dias? Seu corpo doia, seus olhos pesavam, as horas passavam em insônias forçadas. Ele era um desCAMAdo…

(Estou literalmente sem cama, o q resulta em dias de mau humor e enormes olheiras)

O que não…

Só uma coisa me entristece
O beijo de amor que não roubei
A jura secreta que não fiz
A briga de amor que não causei
Nada do que posso me alucina
Tanto quanto o que não fiz
Nada do que eu quero me suprime
De que por não saber ainda não quis
Só uma palavra me devora
Aquela que meu coração não diz
Só o que me cega, o que me faz infeliz
É o brilho do olhar que não sofri

 

Sempre tive saudades do que não vivi, não vi, não senti, do que o tempo levou embora sem nem me dar o direito de experimentar. Gostos são gostos quando o mel escorre pela boca e nos lambuza, é só assim que dá pra contar se foi bom ou ruim, o que de fato é válido é o que fazemos quando estamos acordadas olhando com olhos arregalados pra essa vida louca e deliciosa. nada é tão infinito/finito quanto o minuto, esse, aquele, que correu nas últimas letras da última frase. Pufff, escorreu num nada ou num tudo, num beijo longo ou na 3ª guerra mundial, num sorriso ou numa lágrima…

O que você anda fazendo dos seus minutos?